Você está em Home » Sobre a Esclerose Múltipla » Diagnóstico da esclerose múltipla
Esclerose Múltipla
Compartilhe
Texto
+
-

Diagnóstico da esclerose múltipla

neurologist-examining-patient-s-knee-hammer-low-section-hospital-room-image37119749O diagnóstico da esclerose múltipla (EM) ainda é clínico e baseia-se em dados de história e exame físico. Foi aperfeiçoado muito nos últimos anos com a incorporação dos achados da ressonância magnética – atualmente mais simples do que os iniciais de 2001 – tendo permitindo o início do tratamento precocemente quando necessário.

Os critérios diagnósticos mantém dois preceitos básicos nesta condição: (1) a necessidade de demonstração inequívoca de atividade da doença ao longo do tempo (meses ou anos, denominada de disseminação no tempo) e em mais de um lugar no sistema nervoso central (duas estruturas distintas, denominada de disseminação no espaço). Eventualmente pode ser um grande desafio, sendo necessário se excluir causas mais raras que possam se assemelhar à EM.

O diagnóstico parte de uma consulta médica bem realizada, em geral com o neurologista, sendo esta bastante específica. Inclui uma anamnese (história clínica) detalhada a cerca dos sintomas apresentados até à realização do exame neurológico completo, descrito adiante, em busca de eventuais alterações orgânicas.

Diversas perguntas são feitas pelo médico para identificar os sintomas atuais – ou que tenham ocorrido no passado – em algumas das áreas mais comumente acometidas pela EM. Algumas destas perguntas podem ser:

  • Você tem ou já apresentou visão turva ou dupla?
  • Você tem ou já apresentou problemas como a falta de coordenação?
  • Você já teve dormência ou formigamento nos braços ou pernas? Choques na coluna ao abaixar a cabeça?
  • Você apresenta ou já apresentou tremores?
  • Você tem ou já apresentou fraqueza em uma ou ambas as pernas?
  • Você já apresentou episódio de tontura com duração de algumas semanas?
  • Você tem dificuldade de concentração ou problemas com a perda de memória?
  • Você tem ou já apresentou incontinência urinária ou prisão de ventre?
  • Você tem história familiar de esclerose múltipla? Alguma outra doença autoimune?
  • Você faz uso de algum medicamento?

Em relação ao exame físico, o médico irá realizar o exame neurológico completo, com foco na marcha, força muscular, reflexos, sensibilidade superficial e profunda (vibratória), visão e ainda poderá usar alguns testes rápidos de rastreio para funções cognitivas. Se necessário, pode ser solicitado um exame neuropsicológico formal, para avaliar as funções cognitivas em detalhe.

Para a realização do diagnóstico e ainda do diagnóstico diferencial (exclusão de outras doenças que possam se assemelhar à EM) são em geral empregados alguns testes complementares:

• Exames laboratoriais de sangue e urina;
• Punção lombar para análise do líquido cefalorraquidiano;
• Realização da imagem por ressonância magnética (RM) do crânio (e da medula espinhal se julgado necessário).

 

Artigos relacionados