Você está em Home » Artigos » Tratamento » Gilenya, primeira terapia oral imunomoduladora para esclerose múltipla
Compartilhe
Texto
+
-

Gilenya, primeira terapia oral imunomoduladora para esclerose múltipla

gilenya

Em setembro de 2010 foi aprovado, nos EUA, o primeiro medicamento oral imunomodulador para tratamento da forma recorrente-remitente de esclerose múltipla, Gilenya. Posteriormente, o medicamento foi aprovado para uso na Europa e em outros países – incluindo o Brasil – e encontra-se atualmente em uso na prática clínica diária. Seu princípio ativo é o fingolimode, uma substância produzida a partir da extração de fungos, possuindo mecanismo de ação novo em comparação aos tratamentos injetáveis até então existentes. Nos parágrafos seguintes vamos entender melhor sobre sua descoberta, funcionamento, eficácia e alguns os cuidados com o seu uso.

Origem

Os compostos precursores do fingolimode possuem origem a partir do estudo de uma espécie de ascomicetos, fungos do filo Ascomycota, caracterizados por infectar insetos em diferentes fases do seu desenvolvimento, parasitá-los e, posteriormente, crescer sobre o seu arcabouço para formar o talo e, então, seu corpo frutífero (cogumelo). Este ciclo biológico foi, em parte, reconhecido pela fitoterapia chinesa através do nome “Dong Chong Xia Cao“, que significaria “verme no inverno, grama no verão”, descrevendo as duas fases do ciclo mencionadas.

A medicina popular reconhece uma extensa gama de benefícios à saúde produzidos pela ingestão de cogumelos. Técnicas analíticas modernas identificaram diversos metabólitos com atividade biológica em humanos, incluindo a cordicepina, que inibe o crescimento de tumores (derivada da C. militaris que parasita o bicho da seda), a ciclosporina, um imunossupressor clássico muito usado em transplante renal (derivada da C. subsessilis que infecta o escaravelho) e a miriocina, um imunossupressor com atividade 10 a 100 vezes maior a ciclosporina. Esforços para produzir compostos derivados da miriocina com menor toxicidade gástrica levaram, em 1994, à identificação de um novo composto, o fingolimode, que posteriormente se descobriu atuar de forma diferente dos imunossupressores clássicos, represando células agressivas do sistema imune nos linfonodos, o que as impedia de agir e promover  inflamação e desmielinização observadas na esclerose múltipla.

Figura 1. Fungo Isaria sinclairii, da espécie de ascomicetos Cordyceps, de onde se extrai a miriocina, precursora do fingolimode, seu derivado químico. Juntamente com o ginseng, cogumelos Cordyceps foram considerados como um dos medicamentos orientais relacionados à “juventude eterna”. Fungos Cordyceps parasitam insetos e crescem sobre seu organismo no verão, como pode ser observado na imagem. Fonte: Chun and Brinkmann, 2011.

 

A descoberta dos alvos do fingolimode: além das células do sistema imune

Em meados da década de 90, de forma paralela à descoberta do fingolimode, uma linha independente de pesquisadores buscando por genes envolvidos com o desenvolvimento do sistema nervoso levou à identificação de uma nova classe de receptores, chamados de receptores de lisofosfolipídeos. Estes receptores são proteínas da membrana celular com importantes funções em diversas células do nosso organismo, incluindo as dos sistemas nervoso, imune e cardiovascular. As diferentes linhas de pesquisa naquela época acabaram revelando ser o fingolimode um modulador destes importantes receptores, favorecendo a possibilidade de testar sua aplicabilidade médica.

Do transplante renal para a esclerose múltipla

Em função da atividade imunossupressora da ciclosporina, sua “prima distante” muito empregada como imunossupressor em transplante renal, os estudos iniciais com o fingolimode focaram também nesta indicação, tentando substituir a ciclosporina ou utilizá-la em dose menores, em combinação. Estes estudos mostraram uma eficácia do fingolimode inferior à da ciclosporina na prevenção da rejeição de transplantes, provavelmente relacionada à menor imunossupressão. Entretanto, o medicamento mostrou efeitos sobre a movimentação de células imunes, abrindo outras indicações terapêuticas possíveis, como a esclerose múltipla e outras doenças auto-imunes.

Focados agora na esclerose múltipla, os estudos iniciais com fingolimode mostraram diferentes possíveis benefícios, incluindo a estimulação de células que promovem mielinização no sistema nervoso, além dos efeitos em controlar os leucócitos responsáveis pelas lesões inflamatórias vistas à ressonância magnética, características da doença.

Os dois primeiros grandes estudos em pacientes com esclerose múltipla empregando fingolimode por via oral uma vez ao dia (Gilenya) mostraram significativa redução da taxa de surtos superior àquela observada por terapias já empregadas como os interferons e ainda um efeito importante: uma redução significativa da perda de volume cerebral, indicando propriedades neuroprotetoras da medicação.

Os estudos clínicos identificaram ainda a necessidade de cuidados especiais para uso desta medicação, incluindo a vacinação de pessoas que não tiveram catapora no passado e o monitoramento da primeira dose devido ao risco de bradicardia – uma redução da frequência cardíaca, transitória. Tomando-se estes e ainda outros cuidados no seguimento dos pacientes, a medicação foi aprovada como a primeira terapia oral imunomoduladora para esclerose múltipla, sendo hoje utilizada na prática clínica por pacientes em todo o mundo, incluindo o Brasil.

Como vimos, uma história que compartilha suas raízes na medicina chinesa – com o papel terapêutico dos cogumelos – e evoluiu para a identificação de um derivado com propriedades imunomoduladoras e neuroprotetoras específicas na esclerose múltipla, oferecendo uma possibilidade a mais no tratamento desta importante condição.

Compartilhe
Referências
  • 1. Cohen JA, Barkhof F, Comi G, Hartung HP, Khatri BO, Montalban X, Pelletier J, Capra R, Gallo P, Izquierdo G, Tiel-Wilck K, De Vera A, Jin J, Stites T, Wu S, Aradhye S, Kappos L. 2010. Oral fingolimod or intramuscular interferon for relapsing multiple sclerosis. N Engl J Med. 362(5):402–415.
  • 2. Chun J, Brinkmann V. 2011. A mechanistically novel, first oral therapy for multiple sclerosis: the development of fingolimod (FTY720, Gilenya). Discov Med. 12(64):213-28.
  • 3. Kappos L, Radue EW, O’connor P, Polman C, Hohlfeld R, Calabresi P, Selmaj K, Agoropoulou C, Leyk M, Zhang-Auberson L, Burtin P. 2010 A placebo-controlled trial of oral fingolimod in relapsing multiple sclerosis. N Engl J Med.362(5):387–401.
  • 4. Brunkhorst R, Vutukuri R, Pfeilschifter W. 2014. Fingolimod for the treatment of neurological diseases-state of play and future perspectives. Front Cell Neurosci. 12;8:283.
Thiago Junqueira, 2015. Gilenya, primeira terapia oral imunomoduladora para esclerose múltipla. Disponivel em:
< http://esclerosemultipla.com.br/2015/01/07/gilenya-primeira-terapia-oral-imunomoduladora-para-esclerose-multipla/ >. Acesso em: 25 set. 2017
Artigos relacionados

29 Comentários

  1. Arnaldo de Faria Per 13 de janeiro de 2015 às 18:58

    Olá! Boa noite! Em tipo(s) de Esclerose múltipla está recomendado? Meu marido tem Esclerose múltipla secundária progressiva. Ele é médico . Tem 72 anos. Este medicamento serve para o seu caso? Como ele faz para entrar em contato com vcs. Desde já,obrigada. Elida.

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 13 de janeiro de 2015 às 22:58

      Olá. O Gilenya (fingolimode) está aprovado para uso na forma recorrente-remitente da esclerose múltipla. O fabricante está investigando o siponimode, uma segunda geração, em um grande estudo de Fase III para testar sua eficácia na forma secundária progressiva da EM. Vamos torcer para que os resultados sejam positivos. Devemos trazer estas novidades aqui no site.

  2. Paulo Pires Cunha 13 de janeiro de 2015 às 19:08

    Já existe resultados satisfatório com paciente no Brasil.

  3. ZLIDA MARIA ALVES PE 13 de janeiro de 2015 às 22:43

    COMO FACO PARA TOMAR JA TEM NA FARMACIA DE ALTO CUSTO, FACO TRATAMENTO A 7 ANOS MAS GANHO SALARIO MINIMO NAO CONSIGO TRABALHAR . GOSTARIA DE TOMAR INJESSAO NAO AGUENTO MAIS .SERA QUE PODEM ME AJUDAR ,MORO EM CAMPINAS MEU NEURO JA RECEITOU ,MAS NAO TENHO COMO CONSEGUIR;ME ACOSSIEI A ABEM ESTOU ESPERANDO A CARTEIRA

  4. Valeria Van Der Put 15 de janeiro de 2015 às 19:01

    Boa noite, por gentileza me forneça uma informação : tenho um amigo Com Sindrome de Devic que a Medica disse ser uma EM RARA. Qual a medicação e como fazer para Governo pagar? Pois os medicos desistiram dele pois esta perdendo a visão e encontra se tetraplegico.
    Grata.

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 21 de janeiro de 2015 às 0:07

      Boa noite Valéria. A doença de Devic é uma condição diferente da EM. O tratamento se faz com imunossupressores, corticóides e correção dos níveis do hormônio vitamina D. Nos casos graves em geral se realiza pulsoterapia com corticóides por via endovenosa com ou sem plasmaferese, uma espécie de “filtragem” do sangue para remoção dos anticorpos agressores.

  5. Milena Marson 18 de abril de 2015 às 17:34

    Boa tarde.

    Minha mãe faz tratamento para EM a 15 anos. Ela toma avonex (interferon) e ela gostaria de saber quais os benefícios e riscos se trocar pelo Gilenya, pois ela não quer mais tomar injeção.

    Obrigado.

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 24 de abril de 2015 às 23:18

      Boa noite Milena, agradeço pelo contato. A melhor pessoa para responder à esta pergunta certamente será o neurologista que acompanha o caso dela, devido ao histórico médico, outras comorbidades, etc. Em linhas gerais, o Gilenya mostrou-se uma medicação segura e tem sido bem tolerado, conforme publicações recentes (link). Entretanto, somente quem a acompanha poderá fornecer uma opinião adequada para seu caso.

  6. Tania S. B.acha Silv 19 de junho de 2015 às 0:25

    Boa noite Dr Thiago! Solicito o endereço/ tel. do seu consultório para marcar uma consulta. Obrigada!

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 21 de junho de 2015 às 20:33

      Boa noite Tânia, realizo atendimento nas unidades do Hospital São Rafael. Tel (71) 3409-8000. Agradeço pelo contato.

  7. julio 13 de julho de 2015 às 22:10

    Que ótimo Dr. Thiago essas explicações em detalhe. sou portador de EM e estou para ser examinado por um cardio para sim ser assistido na primeira dose do Gilenya, tenho lesões porem sem surto, com diagnóstico aos 44 hoje tenho 48, alguns sintomas como fadiga e fraqueza em umas das pernas após esforço físico. O sistema de saúde exige na renovação do pedido, além uma nova receita estão pedindo uma avaliação do neuro que não entendi bem, acho que é em relação a efetividade do medicamento. obrigado

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 14 de julho de 2015 às 21:44

      Boa noite Julio. Muito bom saber que o texto lhe foi útil. Desejo melhoras com o seu tratamento.

  8. CARNA FERNANDES 24 de outubro de 2015 às 13:07

    SOU PORTADOR DE ESCLEROSE MULTIPLA E DESDE 2003 PEGO REMEDIO NA VARZEA DO CARMO – SP, POREM OUVE UMA FALHA DO REMEDIO COPAXONE E FIZ VARIOS EXAME PARA VER QUAL IRIA SUBISTITUI-LO, ENFIM O NATALIZUMABE O JC VIRUS DEU POSITIVO ENTÃO MEU MEDICO OPTOU PELO GILENYA, FIZ TUDO DIREITINHO 1º TOMADA DO RMEDIO NO HOSPITAL, ATÉ QUE CHEGOU O DIA EM QUE FUI LEVAR OS DOCUMENTOS OK, FIZERAM UM CHEKUP NOS DOCUMENTOS E CHEGOU A HORA DE RETIRAR O REMEDIO, QUE BARRARAM, POIS NO PROTOCOLO DO POSTO DE SAUDE TERIA QUE TER TOMADO 1º O NATALIZUMABE PARA DEPOIS INGRESSAR NO GYLENIA…. MAS ENFIM PODERIA TER TIDO O VIRUS TOMANDO O NATALIZUMABE, MEU MEDICO DECIDIU PELO GYLENIA E AGORA NÃO TEM MAIS COMO VOLTAR ATRAS E FICAM NEGANDO, A MINHA DOENÇA NÃO É BRINCADEIRA E O REMEDIO É MUITO CARO…. PEDI UM PAPEL PARA COMPROVAR A NEGAÇÃO E DESCOBRIR QUE FOI UMA MEDICA GINECOLOGISTA QUE BARROU DR JANAINA MOHA CARLOS CRM 106572, AGORA ME DIZ, O QUE UMA GINECOLOGISTA TEM A VER COM UMA DOENÇA NEUROLOGICA PARA ELA NEGAR O REMEDIO?

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 26 de outubro de 2015 às 0:09

      Bom dia Carina. Os médicos que atendem nas repartições públicas seguem normativas para liberar ou não um determinado medicamento. Converse com seu neurologista a respeito, pois encontrarão uma saída para o impasse.

  9. Adília Nunes 14 de dezembro de 2015 às 15:00

    Boa noite Dr. Tiago,

    Sou estudante de Bioquímica e no âmbito de uma disciplina foi-nos pedido para apresentar um projeto de investigação. Estava a pensar em aplicar a Basiliximab, um imunossupressor em transplantes renais, à esclerose múltipla. Acha que é um projeto possível de aplicar, ainda que na teoria?
    Obrigada

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 25 de fevereiro de 2016 às 22:28

      Olá Adília, interessante sua pergunta. Pode ser feita sim, naturalmente. Ocorre que este anticorpo é quimérico, acarretando mais reações colaterais. O daclizumabe é sua versão humanizada, com menor potencial imunogênico, que está em vias de ser aprovado para uso clínico na EM.

  10. Sandra Malena 13 de janeiro de 2016 às 12:53

    Doutor Thiago, boa tarde
    Uso betainterferona1b desde agosto de 2013.
    Posso perguntar pra minha neurologista se poderei passar a tomar os comprimidos? Existe algum requisito necessário para mudar de remédio? É muito ruim a picada.
    Grata.
    Sandra Malena

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 27 de janeiro de 2016 às 23:24

      Olá Sandra. A conversa com sua neurologista deve ser franca, sempre. Exponha este desejo a ela, será o melhor caminho. Havendo a possibilidade, certamente não deixará de fazê-lo. Algumas pessoas, entretanto, apresentam uma resposta ótima aos interferons, o que justificaria a manutenção da medicação, se possível.

  11. maria Valeria de Far 27 de abril de 2016 às 10:27

    Bom Dia!
    Dr.Thiago Junqueira.
    A minha irmã Andrea ,começou administrar esse medicamento a um mês e podemos perceber que está havendo um progresso;pois está com a visão comprometida e a marcha também.Porém temos esperanças dos avanços.Estamos encontrando dificuldades quanto o processo para conseguir o medicamento.somos moradores de Bom Jardim-RJ
    Um Abraço.

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 9 de junho de 2016 às 9:11

      Olá Valéria, desejo que o medicamento possa trazer o efeito esperado no controle da doença. Um percentual considerável de pacientes apresenta uma resposta muito boa, que deve ser observada ao longo dos meses. Façam o monitoramento bem regular com os exames laboratoriais orientado pelo neurologista. Melhoras a ela. Dr Thiago Junqueira.

  12. Rafael Valverde Bast 19 de janeiro de 2017 às 12:16

    Bom dia, Dr. Como vai? Espero que bem. O uso da Gilenya não é indicado para pacientes em fase inicial da doença (mais especificamente, com apresentação de neurite óptica em um dos olhos e posterior recuperação parcial)?

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 14 de março de 2017 às 22:47

      Olá Rafael, poderia ser empregado, mas na dependência de outros dados que confiram maior gravidade, se for o caso. Em geral, neurite optica confere um bom prognóstico.

  13. Dalva 30 de janeiro de 2017 às 23:37

    Boa noite Dr Thiago
    Meu esposo recebeu o diagnóstico de EM PRIMÁRIA progressiva em 2014. Até agora nao receitaram nenhum medicamento e percebo q ele está piorando. Tbm existem poucas matérias desse tipo de esclerose publicadas na Internet. Será q esse tipo tbm poderia ser tratado com Gilenya?
    Grata!

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 14 de março de 2017 às 22:34

      Dalva, em março de 2016 foi publicado um grande estudo que mostrou ausência de benefício do Gilenya na EM primária progressiva (link). Dentro da linha dos medicamentos, o primeiro produto que demonstrou benefício deverá chegar em 2018, chama-se ocrelizumabe.

  14. Rita 14 de março de 2017 às 20:07

    Dr. Junqueira, por favor eh possivel comprar o Gilenya no Canadá e retirá-lo aqui no Brasil? Ou importá-lo? Uso Gilenya desde Abril de 2014, é uma droga muito poderosa no controle da EM. Gostaria de morar no Brasil, para estar perto dos meus pais, mas tenho medo de ficar sem esse remédio ou não encontrar na rede pública. Seria possível comprar Canada e retirar o remédio aqui no Brasil? O senhor atende em São Paulo? Muito Obrigada. Rita

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 14 de março de 2017 às 21:53

      Olá Rita, temos a medicação sim no Brasil, não seria necessário comprá-la no Canada. Posso indicar alguns colegas em São Paulo, uma vez que estou atendendo em Salvador. Parabéns pela resposta ao tratamento.

  15. Elizabeth Isola 21 de junho de 2017 às 7:14

    Olá Dr.Junqueira fui diagnosticada em 2013 tenho 53 anos e faço uso gilenya desde então,tive aumento de peso de 73 para 86 kls esse aumento tem relação com o gilenya?qual melhor ativ física na sua opinião para o meu caso?Obrigada.

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 19 de julho de 2017 às 11:36

      Olá Elizabeth, na verdade alguns estudos têm mostrado efeito antiobesidade do Gylenia, ajudando no controle de peso. Provavelmente outros fatores contribuíram para esta alteração metabólica que sofreu nos último anos. Procure um médico e educador físico para iniciar uma atividade direcionada.
      Veja neste link estudo que aborda os efeitos antiobesidade do fingolimod.

Deixe o seu comentário!