Você está em Home » Artigos » Sinais e Sintomas » Como identificar um surto na Esclerose Múltipla
Compartilhe
Texto
+
-

Como identificar um surto na Esclerose Múltipla

A Esclerose Múltipla é uma síndrome clínica de natureza inflamatória e desmielinizante que, em sua maioria, se manifesta sob a forma de surtos caracterizados por sintomas e/ou sinais neurológicos variáveis.

As principais alterações observadas são a perda de força de um ou mais membros, dormências e/ou formigamentos nos pés, mãos (distúrbios de sensibilidade) e alterações no cerebelo como vertigem (tontura) que pode estar associada a náusea, vômitos, tremores, alterações na fala, dificuldade para caminhar e desequilíbrio. Uma grande parte dos pacientes pode apresentar quadro de neurite óptica que se caracteriza por redução na visão e dor ocular, com piora à movimentação dos olhos. Mais raramente observam-se alterações de nervos cranianos como paralisia do movimento ocular (dificuldade para movimentar o olho) ou neuralgia do trigêmeo (dor forte, tipo choque no rosto).

Cada surto é diagnosticado a partir do surgimento de um novo sintoma neurológico ou a piora significativa de um sintoma prévio, tendo duração mínima de 24 horas. É importante ressaltar que deve existir um intervalo mínimo de 30 dias entre um surto novo e o prévio.

O quadro clínico de cada surto é variável, sendo que muitos pacientes podem apresentar mais de um sintoma associado. A recuperação também é individual, sendo que alguns pacientes apresentam remissão completa dos sintomas e outros podem permanecer com sequelas. Alguns pacientes podem apresentar piora clínica com febre, frio, calor, fadiga, tabagismo, hiperventilação, exercício físico e estresse emocional. Geralmente a piora, nessas situações, é transitória. Além disso, há a necessidade que se descarte a presença de infecções que podem agravar o quadro e desencadear sintomas.

Na suspeita de um surto deve-se procurar auxílio médico, para que haja um diagnóstico correto e tratamento adequado. Alguns pacientes podem apresentar o chamado pseudosurto, que se caracteriza pela flutuação de sintomas neurológicos decorrentes de fatores externos como infecções, desidratação, alterações metabólicas e a fadiga. A infecção urinária é um sintoma muito frequente em pacientes com esclerose múltipla e se associa aos pseudosurtos.

O diagnóstico e tratamento precoces são essenciais para uma melhor recuperação do paciente pós surto. O tratamento visa reduzir o tempo do surto e a gravidade dos sintomas.

Todos os pacientes devem evitar recorrer à automedicação, devido aos riscos que ela acarreta. Um dos principais é a ocorrência de efeitos adversos, inclusive a piora dos sintomas neurológicos. Embora sejam muito úteis no tratamento do surto, devido seu efeito anti-inflamatório e imunossupressor, os corticoides (inclusive os orais) podem apresentar diversas reações adversas como: sensação de gosto metálico na boca, insônia, tremores, edema e aumento de peso, hiperglicemia transitória, alterações gastrointestinais, acne e osteoporose. Portanto, o paciente que apresentar suspeita de surto deve procurar seu médico, para que o mesmo possa diagnosticá-lo e tratá-lo de maneira adequada.

O tratamento pode ser feito com corticoide via oral ou endovenosa, havendo em alguns casos a necessidade de internação hospitalar. Embora não sejam notadas muitas diferenças entre o uso do corticoide oral e endovenoso, há consenso entre os neurologistas que durante a ocorrência de um surto mais grave e em neurite óptica a melhor resposta é observada com uso endovenoso.

Embora os corticoides sejam muito empregados na fase aguda da esclerose múltipla, não há evidência de que seu uso evite a ocorrência de novos surtos ou interfira na evolução da doença. Portanto geralmente indica-se tratamento contínuo por meio do uso dos imunomoduladores, imunossupressores e anticorpos monoclonais, com o objetivo de modificar a evolução da doença, reduzindo o número de surtos e consequentes sequelas, além de melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Compartilhe
Mirella Fazitto, 2014. Como identificar um surto na Esclerose Múltipla. Disponivel em:
< http://esclerosemultipla.com.br/2014/11/20/como-identificar-um-surto-na-esclerose-multipla/ >. Acesso em: 16 jul. 2018
Artigos relacionados

35 Comentários

  1. Camila 20 de novembro de 2014 às 16:53

    Adorei dra.Mirella é sempre bom saber identificar um surto!

  2. Maria Célia da Silv 30 de dezembro de 2014 às 14:25

    Gostaria de mais informação sobre a doença

  3. Helena 2 de abril de 2015 às 13:14

    Boa tarde, fui diagnosticada com fibromialgia,porque sinto certos sintomas, espasmos musculares, desiquilíbrio, dores musculares, cansaço, estou perdendo a memoria, raciocínio lento, dormencia, alfinetadas com queimação e as vezes sensação que estou levando uns choques….faz um mes que estou com vertigens, estou fazendo tratamento com dramim, e vetiguim, só que as tonturas não passam…estou ficando assustada.tenho 53 anos.Fui ate demitida por causa dos meus sintomas, era assessora parlamentar de um politico. Será que a Srª pode me dar uma luz.Não posso nem consultar com Neuro, pq perdi o plano de saúde, e tratamento publico estou procurando.Moro em Porto Alegre

    Obgd.

  4. Mirella Fazzito
    Mirella Fazzito 5 de abril de 2015 às 20:43

    Oi Camila! Muito obrigada pelo comentário! É muito importante que saibamos identificar o surto! Quanto mais cedo tratarmos , melhor !!

  5. Mirella Fazzito
    Mirella Fazzito 5 de abril de 2015 às 20:45

    Oi Maria Célia! Obrigada por ter lido e comentado! É sempre bom se manter informado sobre a doença!

  6. Mirella Fazzito
    Mirella Fazzito 5 de abril de 2015 às 20:47

    Oi Helena! É muito importante que consulte um neurologista para que tenha todas as suas dúvidas e sintomas esclarecidos!!! Só um médico, pessoalmente, poderá examina lá e orienta lá adequadamente em relação ao diagnóstico e tratamento dos seus sintomas!!! Bj

  7. Gabriela Alves 2 de setembro de 2015 às 21:55

    Dra Mirella, agradeço seus comentários e orientações. Tenho 44 anos, me trato da EM a 10 anos, com a medicação Rebife 44., 3 vezes por srmana, onde houve uma regressão consideravel da infermidade., desapareceram a fadiga, dores de cabeça… Durante o período de tratamento, tive apenas 2 surtos sensitivos, o 1o surto em 2005, “dormência nas pontas dos dedos do pé esquerdo”, desapareceu e o 2o surto em 2014 “dormência nas pontas dos dedos da mão esquerda”., nestes surtos fiz uso da “Pulsoterapia” com internamento em hospital., sem nenhuma sequela. Vivo uma vida normal, trabalho numa empresa na area conetvial à 16 anos, viajo dirigindo… contudo, me cuido, faço Pilates, faço uso da Vitamina D, Cálcio, Ômega 3, tomo a medicação corretamente, evito estress, desgastes desnecessários, busco ter uma qualidade de vida, tranquilidade, mas precisamos identificar nossos limites. Trabalho minha vida espiritual e Deus tem operado durante estes 10 anos, um milagre em minha vida. Que o Senhor abençoe a todos!

    • Mirella
      Mirella 14 de agosto de 2017 às 21:07

      Que ótimo Gabriela! E sempre importante se cuidar , manter acompanhamento com seu médico e viver bem! Bj

  8. Luciana Ballmann Lis 18 de dezembro de 2015 às 2:43

    Ola Dra! Acho q estou tendo um surto pois ha! 5 anos atras fui diagnostcd c ela. E estou enjoada; tonta tendo suor eccessivo igual a febre…mudanca da audicao…enfim… fiz 40 anos agora sera menopausa…acho q nao pois psrece febre c suor e nao apenas suor.obgd.

    • Mirella
      Mirella 14 de agosto de 2017 às 21:08

      Oi luciana! Importante relatar seus sintomas a seu médico!!! Ele poderá te ajudar! Bj

  9. Claudney 23 de janeiro de 2016 às 23:05

    Dra. Mirellá Fazzito tenho sintomas da esclerose múltipla, mas os médicos dizem que não é já fiz mais de 20 ressonâncias e nos laudos falam a possibilidade doença desmielizante, mas os neurologistas fala que não é mas as imagens da ressonância são idênticas de portadores de esclerose moro em caldas novas Goiás

    • Mirella
      Mirella 14 de agosto de 2017 às 21:09

      Olá Claudinei! O diagnóstico da esclerose se baseia nos sintomas clínicos, associado ao liquor e ressonância!!! Continue seu acompanhamento no centro de referencia mais próximo de vc! Bj

  10. Ellerson 25 de outubro de 2016 às 14:47

    Fui diagnosticado com Esclerose Múltipla à dois meses.

  11. Francine 27 de outubro de 2016 às 22:21

    Estou tendo tontura a cada 5 meses, ela vem e vai, dura horas. Já tive duas vertigens. Nessa ultima fiquei muito assustada. Será q pode ser esclerose? Não tenho ninguém na família q teve ou tem esclerose, tenho 24 anos.
    O sinrina começou na madrugada

  12. hallysson 10 de janeiro de 2017 às 6:52

    Oi eu portador de esclerosemultlipa acabei de passar por um surto fiquei internado durante 5 dias fazendo pulso. E o segundo em seis meses,o meu neuro falou que vai trocar o meu tratamento pois ele acha que não está surtindo efeito (faço tratamento com o avonex) fiz nova ressonância e deu novas lesões

    • Mirella
      Mirella 14 de agosto de 2017 às 21:11

      Olá Hallysson! Fique tranquilo que tudo dará certo! Boa sorte!

    • Josi 14 de março de 2018 às 22:52

      Eu estou a 7 anos sem surtos. Fiz o primeiro ano de tratamento com o interferon e com viramina D, mas não aguentei os efeitos colaterais e abandonei o interferon. Fiquei só com as mega doses de vitamina D por mais 4 anos, enquanto aguardava alguma publicação cientifica da comprovação dos efeitos da vitamina. Como nada foi publicado parei de tomar a 2 anos e permaneço sem surtos. Faço sempre exames de vitamina D e ela tem permanecido dentro do limite normal. Há dois anos estou sem nenhum tratamento para esclerose, mas nem tudo são flores. Há três anos descobri que estava com câncer de mama e, após mastectomia, quimioterapia, etc, ainda faço tratamento hormonal para evitar reincidência. Desgraça pouca é bobagem, mas enfim, lado bom: estou sem surtos e siliconada.

  13. Fabiana Magnani 27 de janeiro de 2017 às 19:37

    Olá
    Faz exatamente 3 anos que operei a cervical , coloquei pinos por conta de hérnia. Após 2 anos senti dores horríveis na lombar onde fui diagnosticada com síndrome do piriforme, fiz bloqueamento de nervos. Do ano passado para cá, estou assustada, estou tendo muita fadiga, além do normal, tonturas, muita fraqueza pegando todo lado direito, face, braço, mãos, perna e pé, formigamento e queimação, e sinto desequilíbrios. Geralmente entro em crise por um tempo, depois dá uma melhorada, após piora novamente, até para digitar esse comentário já está doendo muito meu braço e mão…Estou sem convênio no momento! Vc pode ajudar?

    • Mirella
      Mirella 14 de agosto de 2017 às 21:12

      Olá Fabiana! E importante que procure algum neurologista para q seja examinada é investigada da maneira mais adequada!
      Sempre importante ser vista pessoalmente pelo médico!
      Boa sorte

  14. TATTIANA DOS SANTOS 8 de abril de 2017 às 11:09

    Há muitos anos sofro de dormência e formigamento das mãos e um dos meus globos oculares as vezes doem como se eu tivesse tomado um soco. Nunca dei muita importância para isso. De um ano pra cá eu tenho notado uma dificuldade na visão e na audição tb. Coloquei isso na conta da velhice, afinal tenho 41 anos.
    De um mês pra cá eu comecei a me sentir enjoada e intensificaram as espinhas. Também não achei que fosse algo grave.
    No entanto ontem eu senti um choque forte na lombar que eu tive que me segurar pois perdi, por alguns segundos, o controle das pernas. Ao longo da noite a dor foi piorando ao ponto de não conseguir erguer o corpo e mesmo curvada tive que ser segurada para consegui chegar o quarto.
    Como a senhora avalia esses sintomas?

  15. Geisiane 17 de abril de 2017 às 22:10

    Olá doutora tive chicungunha depois dela não fui a mesma sinto dores queimação no corpo tremores na mão e até com refluxo estou sinto espasmos musculares

    • Mirella
      Mirella 14 de agosto de 2017 às 21:12

      Olá Geisiane, importante procurar um neurologista para avaliar seu caso! Boa sorte

  16. Camila Romano 7 de maio de 2017 às 11:14

    Oi Dr. Mirela, faço tratamento pelo HC e minha consulta será em agosto, tenho tido alguns sintomas estranhos e passado mal muitas vezes por isso passo pelo Neuro do convênio às vezes é ele me pediu uma RM do encéfalo onde na conclusão constam lesões em T2 e Flair compatíveis com EM… devo ir ao HC como encaixe para verificar? Ainda não retornei ao Neuro do convênio, mas desde o fim do ao passado tenho passado muito mal e desconfio ser um novo surto… Obrigada por existirem!

    • Mirella
      Mirella 14 de agosto de 2017 às 21:13

      Boa noite Camila! Importante que procure seu médico para avaliar sua ressonância e seus sintomas!! Boa sorte

  17. Lilian 13 de agosto de 2017 às 17:14

    Não tenho um médico me ajudando por não conseguir ainda um .
    Meus exames foram positivos pra esclerose múltipla…preciso de ajuda . O sus não tem agendamento por ano aceitaceitar os exames que foram feitos pelo convênio..o convênio não tem médico especialista pra esclerose …por favor. Poderia Me ajudar ???

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 13 de agosto de 2017 às 21:08

      Lilian, a equipe no centro de referência mais próximo certamente aceitará os exames feitos pela rede do seu convênio, não deixe de agendar sua consulta.

  18. Meire souza 7 de fevereiro de 2018 às 11:00

    Tenho esclerose múltipla estou em tratamento hoje tive uma tontura muito Forte demorou quase 1 min. Tive que apoiar em uma mesa girou tudo isso pode ser um surto da esclerose.

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 20 de março de 2018 às 15:26

      Meire, os surtos da esclerose múltipla podem ser constituídos de sensações fugazes, mas se repetem por pelo menos 24 a 48h. Apesar de não sugerir um surto neste caso, não deixe de ser avaliada!

  19. Chrystianno Vitorino 13 de março de 2018 às 15:01

    Fui diagnosticado com EM em 2010, fiz tratamento com Dr Ernani Pires do Hbdf
    Daí depois de dizer q o copaxone não estava adiantando nada, não fui mais as consultas e decidi ficar sem remédio, oq acha Dr. ?

  20. Jaqueline 19 de março de 2018 às 3:18

    Olá ,boa noite!
    Fui diagnosticada a uma semana com esclerose múltipla o médico pediu exames do líquido , e so apos o resultado vai entrar com a medicação, porém o formigamento na minha mão esquerda é constante e agora comecei a sentir no pé esquerdo tbm ,e levemente no direito , isso e um surto?

  21. Franciane Santos 28 de março de 2018 às 18:39

    Boa noite. Tive sintomas em todo o lado esquerdo do corpo em janeiro, espasmos, agulhadas no pé, ardência no braço. Fui á um neuro, fiz uma ressonância do crânio com resultado normal, sem nenhuma lesão. Fiz eletroneuromiografia dos 4 membros, só deu síndrome do túnel do carpo na mão direita e desnervação crônica em mmii na contratação. É possível que seja esclerose múltipla? Alguns sintomas voltaram agora em março. Obrigada.

  22. Carla 29 de março de 2018 às 17:05

    Boa tarde fui diagnosticada com neuralgia do trigemio há três meses e venho fazendo tratamento com neurologista q me passou carbamazepina q já veio ser aumentado a dosagem por não esta fazendo mais efeito. Mas de uns dois meses p cá venho sentindo dores no braço direito q não consigo movimenta-lo direito pois dói muito e dores nas entrepernas q nem aguento caminhar direito de tanta dor será q pode ser sintomas de EM há sinto umas dores na coluna próximo ao pescoço q parece que trava. Desde já agradeço.

  23. Camila Ribeiro Menez 9 de abril de 2018 às 17:45

    Tive um. surto de neurite óptica mais eu sinto não toda vez mais as dores oculares porém só dor quando movimento os olhos não doe

    • Camila Ribeiro Menez 9 de abril de 2018 às 17:46

      Isso é sequela?

      • Thiago Junqueira
        Thiago Junqueira 18 de abril de 2018 às 15:39

        Olá Camila, a dor à movimentação do olho acometido pela neurite óptica indicaria a existência ainda de inflamação ativa. Importante que avalie melhor este sintoma.

Deixe o seu comentário!