Você está em Home » Artigos » Nutrição » Aspectos Nutricionais na Esclerose Múltipla
Compartilhe
Texto
+
-

Aspectos Nutricionais na Esclerose Múltipla

alimento_brocoli

Apesar de pouco conhecidos e estudados, os hábitos alimentares e o estado nutricional de indivíduos com esclerose múltipla (EM) sugerem que os mesmos podem sofrer diferentes desequilíbrios nutricionais. Dentre esses, destacam-se obesidade (mais comum), caquexia, baixo peso e deficiências vitamínicas. Caso ocorram, deficiências vitamínicas podem interferir no funcionamento adequado do sistema imunológico e nos sintomas da doença, sendo as mais importantes as vitaminas A e D (moduladoras do sistema imunológico), C, E, e B12 (importante para a síntese de mielina).

Dentre os minerais importantes para nutrição na esclerose múltipla pode-se destacar o zinco, o selênio e o magnésio, por suas atividades antioxidantes, dentre outros.

Além dos nutrientes citados, estudos sugerem papel na prevenção, no controle dos sintomas e possíveis comorbidades associadas com o consumo dos óleos de peixe e linhaça (ômega 3), pelo seu papel imunomodulador, anti-inflamatório e antioxidante.

A pesquisa das ações imunomodulatórias dos micronutrientes iniciou-se com estudo da vitamina D, um hormônio esteroide obtido na pele a partir da exposição solar e, em menor proporção, na dieta. Entre seus efeitos inclui a modulação da resposta imune tanto inata (células de defesa mais gerais, sem especificidade) quanto adaptativa (células que geram anticorpos, p. ex).

Uma vez estabelecida esta relação, estudos em modelos animais comprovaram as propriedades neuroprotetoras da vitamina D, abrindo precedentes para que estudos em humanos fossem realizados. Um dos mais importantes estudos na área encontrou que a suplementação de 400 ui diárias de vitamina D foi capaz de reduzir o aparecimento de novos casos e parece diminuir a severidade da doença. Existem ainda trabalhos que demonstram seu papel na susceptibilidade genética ao menos de alguns indivíduos à EM.

Ainda não existe uma recomendação formal para aplicação de um protocolo de dietoterapia específico para a doença, embora evidências têm se acumulado favorecendo o emprego de dietas pobres em gorduras. A primeira destas dietas foi desenvolvida por Roy Swank, na década de 50, caracterizada por uma quantidade baixa de gorduras saturadas, não excedendo 15 g e realizando a suplementação com óleo de fígado de bacalhau. Uma versão modificada desta dieta, a dieta McDougall, vem sendo estudada e, recentemente, mostrou-se útil no combate à fadiga relacionada à EM.

Além do controle da quantidade de gorduras saturadas na dieta, são preconizadas condutas nutricionais semelhantes aos indivíduos não portadores de EM, de acordo com a individualidade bioquímica do paciente e as recomendações vigentes. Deve-se priorizar a qualidade da alimentação, no intuito de manter ou recuperar o estado nutricional dos pacientes e evitar doenças crônicas como obesidade, diabetes tipo 2, hipertensão arterial sistêmica, dislipidemias e doenças cardiovasculares.

A tabela abaixo exemplifica as fontes alimentares dos principais micronutrientes envolvidos na Esclerose Múltipla:

[tabela borda=”azul”]

NUTRIENTES FONTES ALIMENTARES
VITAMINA A Vegetais folhosos verdes escuros (brócolis, acelga, rúcula, espinafre, couve verde escuro) e frutas e verduras amarelo-alaranjadas (mamão, manga, abobora, cenoura, laranja), ovos e produtos lácteos;
VITAMINA C Frutas cítricas e sucos (laranja, limão, acerola, goiaba) hortaliças (couve, brócolis, tomate);
VITAMINA B12 Carnes magras cozidas, leite e ovo;
VITAMINA D Peixes, óleo de fígado de peixe, ovos e vegetal folhoso verde escuro;
VITAMINA E Óleos vegetais, sementes oleaginosas (nozes, castanhas, amêndoas, sementes de abobora e girassol, linhaça), abacate, açaí, gérmen de trigo, salmão, atum, cavala e sardinha;
ZINCO, MAGNÉSIO, SELÊNIO (MINERAIS ANTIOXIDANTES) Levedura, ostras, folhas de coentro, folhas em geral (rúcula, brócolis, espinafre, acelga, couve), oleaginosas (castanha do Brasil, amêndoa,  amendoim, granola, nozes, avelã), cereais integrais, abacate, beterraba, banana nanica e leguminosas (lentilha, ervilha,grão de bico,feijão),semente de girassol torrada, salmão, alho e cogumelo crus.
OMEGA 3 Peixes de aguas profundas (salmão, sardinha, atum, cavalinha, bacalhau), óleo e semente de linhaça e sementes de chia, além de folhas verdes e oleaginosas (menor quantidade).

[/tabela]

De um modo geral sabe-se que os alimentos lácteos e os que contem glúten apresentam uma maior carga alergênica, podendo assim eventualmente influenciar no quadro clínico da doença. Após uma avaliação nutricional pode ser indicada a diminuição do consumo desses alimentos e suas respectivas substituições para manter uma alimentação mais variada e saudável, como descrito a seguir.

Leite de vaca:

Pode ser substituído por leites de arroz, macadâmia, quinua, aveia e amêndoas.Alimentos também ricos em cálcio: couve, couve flor, mostarda e outros vegetais, algas marinhas, repolho, brócolis, oleaginosas, pasta de gergelim, leguminosas (feijão, grão de bico, lentilha, ervilha), quinua, amaranto, farinha de semente de abóbora e figos secos.

Trigo (glúten):

Fécula de batata, fécula e farinha de arroz, farinha de milho, tapioca, polvilho, trigo sarraceno, milho, inhame, mandioca, aipim, mandioquinha, cuscuz, quinua, amaranto, banana da terra e batata doce.

Vale ressaltar a importância do consumo dos alimentos orgânicos, livres de agrotóxicos e da sua correta higienização, associados a uma alimentação colorida, a hábitos de vida saudáveis para se manter o bom funcionamento e a vitalidade do corpo e da mente. Os aspectos nutricionais também estão relacionados com as medicações administradas, seus efeitos colaterais e possíveis depleções de nutrientes, a sintomatologia, os hábitos inadequados e as comorbidades, exigindo assim uma abordagem multidisciplinar e individualizada com cada paciente.

 

Referências

Filippi M, Preziosa P, Rocca MA. (2013) Vitamin A: yet another player in multiple sclerosis pathogenesis? Expert Rev Clin Immunol, 9(2):113-5. doi: 10.1586/eci.12.105.

Pozuelo-Moyano, B., Benito-León, J., Mitchell, A. J., & Hernández-Gallego, J. (2013). A systematic review of randomized, double-blind, placebo-controlled trials examining the clinical efficacy of vitamin D in multiple sclerosis. Neuroepidemiology. doi:10.1159/000345122

Munger, K. L., Zhang, S. M., O’Reilly, E., Hernán, M. A., Olek, M. J., Willett, W. C., & Ascherio, A. (2004). Vitamin D intake and incidence of multiple sclerosis. Neurology, 62, 60–65. doi:10.1212/WNL.63.5.939

Esclerose Múltipla: aspectos nutricionais e o papel dos nutrientes específicos – Alessandra Imaizume Grisante, Patrícia Stanich. (2006) ConScientiae Saúde. São Paulo, v. 5, 67-74.

Bianchi, M. de L., Antunes, L. M. G. (1999) Radicais livres e os principais antioxidantes da dieta. Rev. Nutr., Campinas, 12(2): 123-130.

Suplementação Funcional Magistral dos Nutrientes aos Compostos Bioativos. Valeria Paschoal, Natalia Marques, Patricia Brimberg, Simone Diniz;

Ramirez-Ramirez V1, Macias-Islas MA, Ortiz GG, Pacheco-Moises F. et al. (2013) Efficacy of fish oil on serum of TNF α , IL-1 β , and IL-6 oxidative stress markers in multiple sclerosis treated with interferon beta-1b. Oxid Med Cell Longev. doi: 10.1155/2013/709493

Compartilhe
Carolina Blagojevic Castro, 2013. Aspectos Nutricionais na Esclerose Múltipla. Disponivel em:
< http://esclerosemultipla.com.br/2013/11/24/aspectos-nutricionais-na-esclerose-multipla/ >. Acesso em: 11 dez. 2017
Artigos relacionados

9 Comentários

  1. Zene Ferreira 12 de agosto de 2014 às 20:05

    Perfeito!
    Parabéns!
    Sucesso Carol.

    • CAROLINA
      CAROLINA 14 de agosto de 2014 às 12:24

      Obrigada Zene querida, grande abraço!

  2. Ana Claudia 18 de agosto de 2014 às 9:42

    Ótimas colocações!

  3. Adriana 30 de agosto de 2014 às 21:26

    Olá. Minha filha foi diagnósticada com EM há 3 anos. Há um ano faz tratamento com a vitamina D. É preciso que ela faça acompanhamento com a nutricionista? Ela emagreceu 9 quilos. Fico preocupada. Boa noite e obrigada.

  4. Carolina
    Carolina 29 de setembro de 2014 às 8:44

    Oi Adriana, obrigada pela sua mensagem. Mesmo a vitamina D sendo um nutriente encontrado em fontes alimentares, sua suplementação deve ser feita com cautela, observando suas dosagens, tipo de administração, portanto o ideal é ter o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar incluindo médicos e nutricionista.

  5. Nubia Teixeira Dutra 8 de dezembro de 2014 às 4:09

    Olá Dr.
    Moro em Goiânia,faço o tratamento a 2 anos. A senhora tem um profissional da nutrição q atenda aqui pra indicar?
    Obrigada

  6. CAROLINA BLAGOJEVIC CASTRO
    CAROLINA BLAGOJEVIC 15 de dezembro de 2014 às 8:19

    Bom dia Nubia, vou procurar saber de alguém que trabalhe em Goiânia e dou um retorno para você. Abraços

  7. Tânia Percilia 29 de maio de 2017 às 15:02

    Preciso de ajuda urgente.
    O namorado na minha filha tem esse problema de saude e esta se agravando muito rapido.
    Ele tem 22 anos, fazem 2 anos que descobriu essa doença . e já esta na cedeira de rodas.
    A familia não tem recusos, vcs poderiam ajudar?

    • Thiago Junqueira
      Thiago Junqueira 19 de julho de 2017 às 11:45

      Tânia, oriento sempre nestes casos que busquem auxílio no centro de referência mais próximo, onde é disponibilizado recurso para o correto diagnóstico e tratamento.

Deixe o seu comentário!